Uber para carro e corre a pé com malas para passageira não perder voo

Esse merecia 10 estrelas no aplicativo! Alan é o nome do motorista e ele simplesmente evitou que uma passageira perdesse o voo para ir comemorar o aniversário de 10 anos do filho dela.

Tudo aconteceu no dia 24 de outubro, em São Paulo. A empresária Fernanda Machado tentava chegar ao aeroporto de Congonhas para embarcar para o Rio de Janeiro, mas não conseguia se aproximar por causa de um engarrafamento. Foi então que o motorista teve a ideia de parar o carro e correr junto com Fernanda para o embarque com as malas dela nas mãos.

“Estávamos na rua Bela Cintra, no bairro Jardim Paulista, por volta das 15h. O tempo começou a passar e o trânsito fluía muito pouco. Fui conversando com o Alan, contando do aniversário do meu filho, dos meus compromissos. Nisso já era umas 17h, comecei a ficar desesperada”, narra Fernanda.

“Pude comemorar o aniversário do meu filho”

Ela havia saído de casa quatro horas antes do horário previsto para o voo, que era às 18h10, justamente para não ter problemas, pegou o metrô e depois o Uber, mas o engarrafamento a fez perder mais de duas horas dentro do carro.

O relógio continuava correndo, já estava quase aceitando que perderia o voo. Comprei uma passagem promocional, então nem teria reembolso. Cheguei a pedir para a minha mãe olhar outra passagem, mas ficaria por R$ 1 mil. Não tinha a mínima condição de pagar”, explica.

Alan pegou rotas alternativas, mas já eram 17h40 e a aflição só aumentava. “Ele disse que eu teria que confiar nele, que eu chegaria a tempo para o voo. Aí ele me disse: ‘vamos ter que correr, você me segue’. Começamos a correr com as duas malas e três bolsas nas mãos pelas ruas de São Paulo. Eu tenho um problema no joelho e fui falando com ele que não conseguiria, ele me deu forças e continuei”, explica.

Logo eles chegaram em Congonhas e, para a sorte de Fernanda, o voo estava atrasado. “Eu me despedi rápido dele, agradeci e fui. Pude comemorar o aniversário do meu filho, fiquei realmente muito grata a esse anjo que Deus colocou em minha vida”, conta.

Depois de postar a experiência no Facebook e ter mais de 50 mil compartilhamentos, ela conseguiu contato com Alan pelo Whatsapp. Ela ofereceu um presente para o motorista, mas ele agradeceu e disse que não queria, que fez apenas o que precisava ser feito.

A Uber comentou a história

Por nota, a Uber disse ter um código de conduta da comunidade, que orienta, entre outras coisas, que o motorista parceiro trate os outros como deseja ser tratado e também seja atencioso.

“Na Uber, sabemos que cada uma de suas viagens é parte de uma história e que essas histórias se conectam quando você se movimenta pela cidade. O respeito entre todos é o mais importante para continuar confiando na plataforma. Então, cada vez que você usa a Uber, pense nos outros. Faça com que todos se sintam bem-vindos e lembre-se de que ‘Meu Uber é seu Uber’”, diz a nota da empresa.

Educação, esporte e arte são fundamentais para a inclusão social de grupos vulneráveis, concorda? Conheça então três projetos que defendem essas causas, escolha a sua favorita, apoie e concorra a um super prêmio de R$ 1 milhão da promoção “Ganhou, Causou”, da Nestlé. Clique aqui e saiba como participar!

Fonte: BHAZ/Fotos: Fernanda Cruz/Arquivo pessoal

 

Leave a Reply